Citações

    Contatos

    Para os emails, tire os espaços... só para dificultar um pouco o spam mario . alirajr @ ufrpe . br e mariolirajunior @ gmail . com Para ver minha disponibilidade de horários, acesse http://doodle.com/MarioLiraJunior que você vai ver meus horários disponíveis, e pode solicitar um horário para discutir o que estiver querendo ou pode simplesmente mandar um email ou passar na minha sala. Se eu não estiver ocupado demais, dou um jeito de atender na hora mesmo.

    Assine o blog por email

    Digite seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

    Comentários

    Dúvida Artigo Campbell

    Bom Dia Professor

    Professor estou com uma duvida em entender o termo LSD que o autor cita frequentemente neste artigo, poderia me explicar?

    Att.

    Nem se anime, que não tem nada a ver nem com um derivado de cogumelos, nem com música dos Beatles. LSD é a sigla em inglês para Least Significant Difference, ou seja, Diferença Mínima Significativa (DMS em português). Depende um pouco do contexto, já que tem um teste com este nome, e ao mesmo tempo é o nome de um valor utilizado em vários testes.

    Admitindo a segunda versão, que é a mais provável, este é um valor calculado para um determinado teste que leva em consideração o tamanho da amostra, a variabilidade dos resultados, e a chance de erro que o pesquisador aceita (aqueles famosos 5% tipicamente), isto tudo combinado de uma determinada forma de acordo com o teste.

    Por exemplo, considerando o teste de Tukey, a fórmula seria

    \Delta =  q\sqrt{\frac{QMR}{r}}

    em que

    q – valor de tabela encontrado com base no nível de significância, graus de liberdade do tratamento e do resíduo. O nível de significância é a maior chance de cometer um erro tipo I (ou seja dizer que tem diferença quando o acaso poderia explicar) e este valor de tabela é baseado em uma distribuição teórica desenvolvida por Tukey

    QMR – Quadrado Médio do Resíduo, ou seja, a variância do experimento que é só devida ao acaso, calculado com base no delineamento experimental, após o experimento, lógico

    r – número de repetições (duh…)

    Ou seja, dois tratamentos que apresentem uma diferença entre suas médias maior do que LSD são provavelmente realmente diferentes, com apenas 5% de chance (no máximo) desta diferença ser devida ao acaso e não aos tratamentos.

    Veja que isto não tem a menor implicação quanto à importância ou não de uma diferença, apenas que tem uma chance considerada pequena pelo pesquisador de que não seja real. Ou seja, se pensarmos em cana, uma diferença de 1 kg/ha pode ser significativa em um experimento com variação muito baixa, enquanto em outro (ou outra variável que tenha maior variabilidade) uma diferença muito grande pode não ser significativa.

    Em outras palavras, uma diferença ser ou não significativa não pode substituir o raciocínio do pesquisador.

    You must be logged in to post a comment.

    Submarino.com.br
    %d blogueiros gostam disto: