Citações

    Contatos

    Para os emails, tire os espaços... só para dificultar um pouco o spam mario . alirajr @ ufrpe . br e mariolirajunior @ gmail . com Para ver minha disponibilidade de horários, acesse http://doodle.com/MarioLiraJunior que você vai ver meus horários disponíveis, e pode solicitar um horário para discutir o que estiver querendo ou pode simplesmente mandar um email ou passar na minha sala. Se eu não estiver ocupado demais, dou um jeito de atender na hora mesmo.

    Assine o blog por email

    Digite seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

    Comentários

    Dúvida

    Professor boa noite, estou terminando a apresentação do capítulo 3 da disciplina de Técnicas Experimentais aplicada a ciência do solo e surgiu uma dúvida sobre aleatoridade ( não sei se é assim, ta na pag 35-36), não estou entendendo o que o autor neste livro quis dizer; mas achei que seria sobre o posicionamento dos tratamentos.

    Não consegui localizar nada falando sobre aleatoridade nas páginas citadas, então vou partir para uma discussão mais aberta.

    Aleatoridade, ou casualidade, é um pouco diferente do princípio da casualização, que me parece ser sua interpretação. O princípio da casualização quer dizer que devemos garantir a aleatoridade, ou seja, aplicamos o princípio para evitar a possibilidade de que uma decisão do pesquisador impeça (ou dificulte muito) que o acaso fique completamente livre para agir. A definição fica parecendo um pouco circular, mas a ideia básica é simples.

    Já afirmar que uma coisa é aleatória quer dizer somente que tem um efeito do acaso que vai afetar o resultado. Em outras palavras, tudo que tenha o mínimo de sentido biológico tem um efeito aleatório. Você é diferente de seus irmãos (admitindo que tenha, lógico) porque, embora os genótipos de seus pais sejam os mesmos para todos, cada espermatozóide recebeu uma metade um pouco diferente, já que no processo da espermatogênese as metades que ficam em cada espermatozóide ou óvulo são diferentes, e a combinação dos dois também é diferente.

    Qualquer fenômeno biológico, e boa parte dos físicos e químicos, sofre algum efeito da aleatoridade, desde quase nada até quase tudo, e isto é que faz necessário determinar o tamanho da variação do acaso para permitir uma comparação entre médias.

    You must be logged in to post a comment.

    Submarino.com.br
    %d blogueiros gostam disto: